sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Pelo Tejo vai-se para o mundo

Cá estou correndo na terrinha, entre uma burocracia e um passeio, entre uma faxina e um supermercado, entre uma chuva e um sol...

Mariana Passos, minha amiga lisboeta que vive em São Paulo, disse que dia 05/10 haveria maratona e meia aqui. E essa é uma da série Rock'n Roll. Meu pai correu uma dessas em San Diego, na Califórnia. A organização é muito boa! Mas, eu não estou treinando tanto para correr 21km agora...

Foi então que meu amigo João Xavier me deu a dica da corrida "Lisboa Corre Pela Paz". 10km, no próximo domingo, dia 28/09. A inscrição: 5€. Incrível! Eu me inscrevi facilmente pela internet, mas para pagar havia um número NIB, e como eu ainda não tenho conta bancária aqui, não conseguiria fazer a transferência para aquela conta com o número de referência. Precisei pedir ajuda... Paguei os 5€ ao João, que fez a transferência para mim. Daí, só precisei mandar por email o comprovante de pagamento e eles me responderam confirmando a inscrição e terminando com "saudações desportivas"! :)

Bem, ainda estou me adaptando a correr aqui. Sinto falta do Parque Ibirapuera... Mas ontem fiz uma corrida bem gostosa. Saí correndo de casa. (E aqui é bem comum as pessoas correrem na rua). Fui até a Av. Liberdade, desci a Rua Augusta e cruzei a Praça do Comércio (lá no Terreiro do Paço). Ali cheguei a beira do Tejo, onde corri mais um pouco até virar e fazer o caminho de volta.

Na beira do rio eu percebi que haviam palavras escritas em letras grandes. Era difícil de ler tudo correndo, mas logo reconheci os versos de Alberto Caeiro:

"Pelo Tejo Vai-se para o Mundo

O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, 
Mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia
Porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. 
O Tejo tem grandes navios 
E navega nele ainda, 
Para aqueles que vêem em tudo o que lá não está, 
A memória das naus. 
O Tejo desce de Espanha 
E o Tejo entra no mar em Portugal. 
Toda a gente sabe isso. 
Mas poucos sabem qual é o rio da minha aldeia 
E para onde ele vai 
E donde ele vem. 
E por isso porque pertence a menos gente, 
É mais livre e maior o rio da minha aldeia. 
Pelo Tejo vai-se para o Mundo. 
Para além do Tejo há a América 
E a fortuna daqueles que a encontram. 
Ninguém nunca pensou no que há para além 
Do rio da minha aldeia. 
O rio da minha aldeia não faz pensar em nada. 
Quem está ao pé dele está só ao pé dele."

(Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XX"
Heterônimo de Fernando Pessoa)

A corrida deixou de ser apenas atividade física...

E na beira do Tejo, um turista fazia um vídeo da cidade no qual acredito que eu tenha aparecido correndo... E foi assim, no cruzamento de ruas e avenidas de Lisboa, que me senti um pouco parte do cenário daqui, inserida na vida daqui...

E de repente, num paradoxo aparente, correndo, a gente começa a se fixar.

2 comentários:

  1. Oi, lembra de mim? Ramiro de Porto Alegre, leitor do teu blog? Estarei com a minha esposa para correr a rock and roll marathon ai em lisboa! Depois seguiremos pra Espanha e corro uma 10k dia 12 de outubro!se quiseres Manda teu email para eu fazer conyato. Abraco!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ramiro!!
      Claro que me lembro de vc!
      Que legal que vcs virão para Lisboa correr a Rock'n Roll!
      Vcs vão correr os 42km? Que dia chegam e ficam até quando?
      Meu email é: marinabfig@gmail.com
      Será mto legal conhecer vcs!! E mais interessante que isso será em Lisboa e não no Brasil! rs
      Beijos!!

      Excluir