domingo, 21 de julho de 2013

Segundo treino 30km: os pensamentos nos pés

Ontem foi dia de festa. Meus avós vieram do interior e a Fe iria com o Lucas, então nos dividimos em dois carros. Eu e meu pai voltaríamos mais cedo, prezando pelo meu próximo treino de 30.

Dei apenas uma bebericadinha num drink de banana com canela que meu pai escolheu e no cosmopolitan (Nana, nenhum é melhor que o seu!) e levamos pra minha mãe. Até aí, tudo certo... até acabar o jantar e chegar na mesa de doces! Uma perdição! (Adriana, se o Juninho fez você ganhar uns quilos, você também nos fez! E hoje eu precisava eliminá-los!)

Fomos embora mais cedo. Deixei a roupa e os gels de carboidrato separados para hoje e dormi logo. Acordei às 4h40 da manhã. Um pouquinho só de ansiedade... Voltei a dormir. Acordei às 7h (do nada, sem despertador novamente!).

Chá, banheiro, micropore, Ipod, Garmin... Toda aquela parafernália, que já citei, e eu estava pronta para correr! Enquanto me aprontava, assisti ao meu discurso de formatura. É que nessa semana, o Marcão resolveu treinar também o meu psicológico. Ele contou que tinha visto meu discurso de oradora no youtube e perguntou como que, depois daquilo, um treino de 30km poderia ser difícil e me deixar nervosa (como aconteceu no domingo passado)? Se eu tinha corrido 27km tranquilamente?! Então ele me disse para lembrar sempre das minhas conquistas passadas, para encarar os novos desafios.


Não peguei os óculos escuros. E, indo pro parque, meu pai disse que não fazia mais maratona com óculos. Era uma coisa a mais pra se preocupar, embaçava, tinha que ficar limpando... pronto, ele já havia me convencido! Hoje eu correria sem óculos, afinal, já tinha o boné pra me proteger do sol. Cadê o fone que eu separei? Nada! Larguei em casa, em algum lugar. Meu pai me emprestou o dele (é muito amor!). Ainda no caminho, ouvimos “Band on the run”! E se até o Paul McCartney estava neste clima, por que não eu?!

Chegando ao parque, aqueci, dei uma alongada e comecei a correr. Sem a mochila nas costas, estava livre, leve e solta! Comecei às 8h15! (o que realmente faz e fez uma diferença positiva!)

E leve fui levando as passadas, embalada num ritmo frequente. Eu pensava do Forrest Gump se livrando daquela aparelhagem em suas pernas e correndo. Eu me lembrava de mim discursando, para um salão cheio, aquelas palavras que havia escrito e decorado. Eu recordei as corridas na USP, subindo a Biologia. Enfim, nada me deixaria abalar. Hoje eu era uma atletinha! (Em homenagem ao meu primo Caio, que se diz um “adultinho”!)

Foi assim, absorta em meus pensamentos, sob o sol que vinha esquentar e às vezes arrefecia, que 15km passaram como se fossem o aquecimento. Meu pai estava acabando o treino dele. Me entregou os gels e disse que esperaria no final. Meu irmão disse que correria a segunda metade comigo, mas claro que ele só foi acordar quando chegamos em casa... Não tinha problema. Correr sozinha estava uma delícia.

Em alguma das 5 voltas, perto do lago, um menininho corria, exibindo sua velocidade aos seus pais. (crianças correndo com tanta facilidade e vontade são provas de que nascemos para correr!) Quando passei por ele, ele correu mais um pouquinho ao meu lado e abriu um sorrisão.

Cruzar com as pessoas durante a corrida é interessante. Mesmo cansada, esboço um princípio de sorriso, nem sempre correspondido, mas persisto, e é muito legal quando alguns mudam sua expressão!

Em alguns trechos, o caminho é mais apertado. Eu estava correndo num sentido e um cara no outro. Simplesmente apontei para um lado e ele indicou com o braço que iria pro outro. Normas básicas de trânsito. Falando nisso, passei por um homem que, correndo, tinha chutado pro lado um galho que estava no meio do caminho. Certamente evitou que alguém que viria depois tropeçasse. (Sim, ainda existe solidariedade entre os homens e em São Paulo!)

E como de longo já bastou meu treino de hoje, devo, por bem, levá-los para o fim do treino. E é com muita alegria que digo que hoje não senti frio nos quilômetros finais. Hoje meus pensamentos foram só positivos (e isso influencia mais do que vocês podem imaginar!). E hoje completei os mesmos 30km da semana passada 7 minutos mais rápido, e me sentindo inteira!

Na “linha de chegada” encontrei meu pai, e encontramos o Paulo e a Raquel (também corredores) com quem foi ótimo conversar um pouquinho! Minha mãe chegou em seguida, completando 12km. Assim, eu e ela, juntas, fechamos uma maratona!


Até mais, meus colegas esportistas e aspirantes!

10 comentários:

  1. Eae Mari!
    Bom, fico muito feliz sabendo que está caminhando tudo como planejado! Não vai se arrebentar nesse período pré competitivo.
    Qualquer dúvida, estarei aqui ou no meu blog, mas acima disso, estou torcendo muito por você!
    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Watcha, por todo apoio e atenção!
      Vai dar td certo, com minha maratona e com seu ironman!
      Beijos!

      Excluir
  2. Mari Maravilha!!
    Que coisa boa voce superar os seus limites, reduzir tempo e ainda acabar a corrida com esse astral e confiança. Voce é uma guerreira menina e tem muita vontade o que é primordial para o desenvolvimento pessoal de cada um.
    Tô torcendo, como sempre e te acompanhando de longe. Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tia Lili Linda!
      Obrigada por me acompanhar e apoiar!!
      Saudade de vc sempre!
      Eu te amo muito!
      Beijos!

      Excluir
  3. parabéns, marina
    bjoca

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, tio Maurício!
      Mesmo anônimo, sempre reconheço o seu jeito de escrever! ;)
      Beijos!

      Excluir
  4. Marina, acho tão legal todo esse ânimo, esse empenho...eu costumo ser bem preguiçosa para esportes, mas estou ficando também animada...hahaha. Parabéns! Bjo. Marlene.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Marlene!
      Vc pratica ou já praticou algum esporte?!
      Fico super contente em saber que está se animando!!
      A corrida é uma ótima opção, viu!
      É bem prática, porque tendo um bom tênis, vc já pode correr em qq lugar, a qq horário, em qq clima, sozinha ou acompanhada, com ou sem música, dentro do tempo que vc tiver, no seu ritmo...
      Quanto à preguiça, é completamente normal! Mas pra mim, a atividade física já virou tão parte da minha rotina, que já nem penso... E tenho achado ótimo correr ou ir pra academia de manhã! Dá mais disposição pro resto do dia, além de que no final do expediente você já está com sua missão cumprida! ;)
      Obrigada, novamente, por acompanhar o blog!
      Beijos!

      Excluir
  5. Que delícia de narrativa, cheguei até a ficar com vontade de correr! rs
    Quem sabe o Ro e eu não nos empolgamos quando passar esse frio congelante ;)
    beijos
    Rosangela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rosangela!!
      Nossa, é uma honra ouvir isso de alguém que se formou em Letras! :)
      Apoio totalmente que vcs comecem a correr, ou pedalar!!
      Lugar não será o problema, já que estão do lado da USP!
      E praticar atividade física em família é a melhor coisa, pq um sempre incentiva o outro!
      Depois, qnd vierem os filhinhos, vcs podem levá-los juntos, como meus pais faziam comigo e com o Lucas! (conto nos dois primeiros posts)
      Já estou fazendo planos pra vcs a longo prazo! ;)
      Beijos!

      Excluir